↑ Voltar para Início

Mosteiro da Luz

mosteiro-da-luzO Mosteiro da Luz tem suas origens na igreja em homenagem a Nossa Senhora da Luz, erguida pelo colonizador Domingos Luís, o “Carvoeiro”. A primeira vez que se registra a existência da igreja é numa carta, em 1579 , do Padre Anchieta ao capitão Jeronimo Leitão Coco, locotenente da família Martim Afonso de Souza . Nessa época a igreja localizava-se na região Piranga ( hoje bairro do Ipiranga) .

Por volta de 1600, Domingos Luís transfere a sede da igreja e a imagem de Nossa Senhora da Luz para a região norte do Anhangabaú, conhecida como Guaré (ARROYO,1954). Nessa época, acredita-se que a igreja deveria ser pequena, rica e colorida ( ARROYO,1954:10).

Em 1729, estando a igreja em total abandono, Filipe Cardoso, herdeiro de Domingos Luiz assumiu a sua administração e realizou relevantes mudanças : elevação do frontispício da igreja, construção do muro de cercadura , casas para os romeiros , plantação de uma horta. Após a sua morte, a igreja passou novamente por um longo período de abandono.

No período de 1765 a 1774, o capitão geral da Província, Dom Luiz Antonio Botelho Mourão ( Morgado Mateus) executou pequenos reparos onde se realizava a festa de sua padroeira , Nossa Senhora dos Prazeres.
Contudo, a parte mais complexa, incluindo o convento, foi construído por Frei Galvão.

Por volta de 1772, uma religiosa chamada Helena Maria do Sacramento teria tido visões de Jesus Cristo para a construção de um convento. Após ter conhecimento de suas visões e confirmando com o clérigo a veracidade das visões, o franciscano Antonio de Sant’ana Galvão, levou a ideia adiante, e mesmo com restrições do Marques de Pombal, que na época proibiu a abertura de novos conventos, conseguiu, em 1774, licença do governo para inaugurar o recolhimento, nos arredores da capela sendo que as recolhidas deveriam seguir a regra da Ordem da Imaculada Conceição, fundada por Sta. Beatriz.

Portanto, nunca residiu neste Mosteiro ( Recolhimento), carmelitas ou outra Ordem religiosa que não seja a atual e sempre Concepcionistas.
O próprio Frei Galvão projetou e trabalhou na construção do Recolhimento, incluindo a capela.
As obras foram feitas em grande parte por doações e esmolas conseguidas por Frei Galvão e Madre Helena do Espírito Santo.

Em 1788 o conjunto adquire sua feição atual. Nessa época há a inauguração de novos claustros e transferência das irmãs.

Em 1802 é inaugurada a nova igreja ( parcialmente concluída).

Após a morte de Frei Galvão, em 1822, seu sucessor – Frei Lucas da Purificação – prossegue as obras, finalizando o Dourado da Capela, sua frente com uma torre (o projeto de Frei Galvão eram de duas torres) e constrói o cemitério das irmãs recolhidas deste mosteiro.

Em 1868, há a venda de parte do terreno ao governo provincial. Historiadores afirmam que as terras ocupadas pelo Recolhimento da Luz, chegavam até o Rio Tamanduateí. Nos terrenos vendidos foram construídos quarteis policiais.
Em 1929 , o recolhimento foi incorporado canonicamente à Ordem da Imaculada Conceição, para o qual foi construído, sendo assim elevado à categoria de Mosteiro.

Tombamento do Complexo da Luz

Em 1943, o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional tombou o Mosteiro .

Em 1970, o IPHAN consegue na justiça a retirada de construções irregulares do terreno. Em convenio com o Governo do Estado de São Paulo, é instalado o Museu de Arte Sacra, na ala mais antiga do Mosteiro(locada pelas Irmãs do Mosteiro à Secretaria).

Em 1977 tombamento pelo CONDEPHAAT.

Conhecido pela grande espiritualidade que possui, o Mosteiro é também a principal obra colonial de São Paulo, do século XVIII. Além disto, o Mosteiro da Luz, é um dos poucos conjuntos arquitetônicos coloniais que mantém seu uso original.
Dada a sua importância foi declarado, como “patrimônio nacional tombado.”
Fundado em 02 de fevereiro de 1774, por Frei Galvão, o Mosteiro da Luz é mantido e administrado pelas Monjas  Concepcionistas  Franciscanas  da Ordem da Imaculada Conceição,

pilulas_emmaos-150x150Tendo como  exemplo   Imaculada Conceição,  vivem o mistério de Cristo, a partir da fé, na oração constante, da disponibilidade e do ocultamento silencioso.  Assistem aos fiéis  que chegam ao Mosteiro em busca de  conforto espiritual e/ou material. Uma de suas principais tarefas é a confecção das pílulas de Frei Galvão, de responsabilidade exclusiva das Irmãs Concepcionistas, legado este, deixado por Frei Galvão, assim documentado.

No complexo  do Mosteiro da Luz  encontra-se o

  • tumulo de Frei Galvão, causa da peregrinação de romeiros e devotos, na Capela de Frei Galvão
  •  Capelania  do Mosteiro  sob  responsabilidade da Arquidiocese de São Paulo
  • Sala  da distribuição de pílulas de Frei Galvão aos fiéis
  •  Memorial Frei Galvão, que reúne objetos de uso pessoal e religioso  de Frei Galvão
  •  Museu de Arte Sacra de São Paulo  – transferido em 1970 através de Convênio firmado com o Governo do Estado de São Paulo
  •  Exposição permanente de Presépios  na antiga  Casa do Capelão
  • Convento das Irmãs Concepcionistas  ( claustro)
  • Loja de artigos  religiosos e gastronomia ( pães, doces confeccionados pelas irmãs)

Considerada a mais importante construção arquitetônica  colonial do século XVIII, em São Paulo, o Mosteiro da Luz   foi declarado  “Patrimônio Nacional Tombado”.

ordem imaculada conceição logo

Ordem da Imaculada Conceição

 

 

Veja Também, Fotos do Mosteiro da Luz – SP